Método Kiber

Outubro 30 2009

 Dr. Madan Kataria

                O Dr. Madan Kataria, foi o fundador do Clube do Riso na Índia. Iniciou uma revolução de alegria e de risos que está a espalhar-se por todo o nosso planeta. O Dr. Kataria definiu assim o seu método: “Em suma, o yoga do riso é uma combinação de auto-indução de riso, os exercícios de yoga, respiração e exercícios de alongamento. Com um pouco de diversão se transformam em riso verdadeiro. O nosso corpo produz uma resposta semelhante à que temos de riso espontâneo”.

                Essa ideia veio a ele como uma inspiração. Em 1995, estava ele a escrever um artigo para uma revista sobre a saúde e  lembrou-se  que o “riso,  era o  melhor remédio” de  Reader´s

Digest. Ao pesquisar para o artigo, o Dr. Kataria descobriu uma grande quantidade de literatura científica sobre os benefícios do riso na mente e do corpo humano.

                Numa manhã bem cedo ele pensou: Se o riso é tão bom, por que não começar com um clube do riso?” Várias horas depois, ele apresentou essa ideia com os habituais do parque que ele frequentava. Eles reagiram: “Doutor, o senhor está bem?” “O senhor está louco?” Mesmo assim, conseguiu persuadir quatro deles para experimentar a rir num canto do parque. O grupo cresceu de tal maneira que hoje existem centenas de Clubes do Riso em todo o mundo.

                Desde esse dia, que o Dr. Kataria tem divulgado a sua mensagem do riso para todas as classes sociais, e grupos: as crianças na escola, os prisioneiros na cadeia, lares de idosos, doentes nos hospitais e trabalhadores de todas as classes.

                Segundo a pesquisa do Dr. Kataria, o riso tem um impacto positivo em vários sistemas do corpo. O riso ajuda a eliminar os efeitos negativos do stress. Mais de 70% de doenças como hipertensão, doenças cardiovasculares, ansiedade, depressão, tosse e resfriados frequentes, úlcera apéptica, insónia, alergias, asma, dores de cabeça, perturbações do estômago e até mesmo cancro estão relacionados de alguma forma com o stress. O riso ajuda a impulsionar o sistema imunológico, que é a chave mestra para a manutenção da boa saúde.

                O nosso sistema imunológico está directamente relacionado com o cérebro, portanto, o nosso cérebro é afectado pelas emoções. O Dr. Lee Berk, confirmou esses estudos neurológicos, onde a actividade do cérebro foi mapeado durante as anedotas ou piadas. Os investigadores descobriram que não era apenas uma parte do cérebro que reagiu, mas que todo o córtex cerebral foi invadido durante o riso.

                O Dr. Kataria, acredita que há dois tipos de risos: o humor, devido ao intelecto e à comunicação; e o riso interior, que é mais emocional, infantil e acessível a todos. “As crianças não têm um grande senso de humor”, diz Kataria. “Elas não precisam de anedotas para rir. Riem porque sentem o riso”.

                Com base nesse princípio de riso interior, Kataria desenvolveu a sua filosofia de Riso-Yoga. “Na tentativa de ligar o mais acto físico exterior do riso com o interior mais emocional”, diz ele. “Esta é a filosofia do Riso-yoga”.

                O seu método incorpora uma variante da respiração profunda do yoga, assim como exercícios de alongamento incorporando os risos. Com essa prática meditativa recebe-se mais oxigénio para os pulmões. “Todos nós temos o nosso próprio nível de comediante”, diz ele. A dificuldade está em revelar e expressar essa faceta. Kataria acha que a sociedade não nos permite expressar “o nosso comportamento louco” se não estivermos embriagados. Mas ele também salienta, pode ter algo a ver com a nossa falta de confiança.  

                O Dr. Madan Kataria, ao idealizar o método do yoga do riso também desenvolveu o seu principal objectivo: atingir a paz mundial, já que as pessoas que riem em conjunto, não podem entrar provavelmente em conflito.  

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

 

 

 
 
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 22:57
Tags:

Outubro 30 2009

               

               

               Era uma vez um povo triste… que vivia num regime opressor. Então, surgiu alguém que o pôs a rir…

                Raul Solnado nasceu em Lisboa em 19 de Outubro de 1929.

           Foi indiscutivelmente reconhecido como um dos maiores nomes do humor português, começou a fazer teatro na Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul (1947), profissionalizando-se em 1952. E desde daí nunca mais parou de nos fazer rir… opereta, revista, teatro clássico, cinema, televisão.

            Raul Solnado faleceu no dia 8 de Agosto de 2009, vítima de doença cardiovascular. O actor estava internado no hospital Santa Maria e, na manhã, pelas 10h55m, foi confirmado o óbito. Segundo informou o hospital, Solnado sucumbiu na sequência da evolução de um quadro clínico cardiovascular grave, depois de ter sido operado à carótida, há três dias.

            Foi até à sua morte, Director da Casa do Artista, sociedade de apoio aos artistas, que fundou juntamente com Armando Cortez, entre outros.

            Como Chaplin, Fernandel, Jô Soares, Jerry lewis e tantos outros nomes grandes do humor, Raul Solnado tinha a capacidade de se transfigurar a um ritmo vertiginoso sempre que a personagem lho exigia. Os músculos do seu rosto contraíam-se e descontraíam-se em incontáveis caretas por segundo, acompanhadas por outros tantos gestos das suas mãos desassossegadas. Um frenesim que o levava mesmo a gaguejar ligeiramente, tornando as suas personagens ainda mais engraçadas. A expressividade foi, sem dúvida um dos segredos do sucesso deste actor, que, como todos os cómicos dignos deste nome, manteve até ao fim um sorriso de menino traquinas a franzir-lhe o rosto.

            As gargalhadas fizeram atenuar a guerra.

            Raul Solnado foi um actor de mil faces mas foi com gargalhadas que se impôs como uma figura mítica do espectáculo. E quando a guerra colonial era tabu e indiscutível, ele pôs Portugal a rir-se de uma guerra sem sentido, uma rábula que foi o seu maior êxito de sempre.

            Raul Solnado inovou e revolucionou o humor em Portugal, pois defendia a piada inteligente e exigente, no lugar da piada fácil e ordinária. Um humor que esteve sempre na linha da frente e que esgotou bilheteiras nas principais salas de espectáculos do país.

            Aqui fica a minha homenagem a esse grande humorista e a lembrança da advertência que nos fazia:

 

        

   

 

 “Façam o favor de ser felizes…” Raul Solnado

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 02:07
Tags:

Outubro 30 2009

        

           Como alcançar a felicidade? Apesar de ser o desejo de todo o ser humano, mesmo assim, fica sempre além das suas expectativas e esperanças. Ora, a felicidade não é pílula que se tome, para se obter, nem tão pouco existe um elixir mágico que nos transforme nas pessoas mais felizes do mundo.

             A felicidade é um estado mental, que para se conseguir exige de nós uma alteração no nosso estilo de vida. Se agirmos sempre da mesma maneira, obteremos sempre os mesmos resultados, mas se procedermos de maneira diferente os resultados serão outros.

            Em geral, as pessoas não gostam de mudar, quando as coisas correm mal, torna-se mais fácil culpar os outros. Quando consciencializam-se que terão que mudar, então, surge a luz, significa que a pessoa está à beira da felicidade.

            O MÉTODO KIBER é a terapia mental que nos leva à mudança para encontrarmos a felicidade. Consiste o método na alteração dos nossos pensamentos, na modificação da nossa linguagem, variação da nossa postura e dos nossos gestos.

            A mudança é essencial para a cura. Se nós modificarmos as nossas representações internas, modificaremos a nossa fisiologia, e se nós modificarmos a nossa fisiologia, postura, expressões, gestos, etc. Automaticamente mudaremos as nossas representações internas, a nossa mente e todo o nosso pensamento.

 

            O meu método consiste em vários sistemas e terapias simples e eficazes:

            Vocabulário transformacional: consiste na modificação da nossa linguagem limitadora, indo para uma mais positiva e de sucesso.

            Linguagem corporal: alteração dos nossos gestos corporais, e aprendizagem de gestos positivos e fortalecedores.

            Cromoterapia: modificação e adaptação das cores que nos podem favorecer à mudança da nossa vida.

            Grafoterapia: reeducação da personalidade através da escrita.

 

            O meu sistema terapêutico adapta-se bem a qualquer paciente.

            Que doenças ou problemas se podem resolver com o MÉTODO KIBER?

            Todas as doenças psicossomáticas e distúrbios mentais se podem curar com este método: complexos de inferioridade, timidez, gaguez, melancolia, fobias, traumas, impotência sexual, etc.

 

             O meu sistema de tratamento não entra em conflito com qualquer crença religiosa ou filosofia de vida, a ideia do pensamento positivo poderá ampliar e aperfeiçoar o nosso estilo de vida e o relacionamento com as pessoas em nosso redor.

 

                                                                                                                     

 

 IDEIAS SÃO FERRAMENTAS

 

            Li há muitos anos um artigo publicado num jornal em que um indivíduo criticava um abre-latas eléctrico, rápido, sofisticado... que um vizinho lhe mostrou. Ele defendia nesse jornal o seu abre-latas manual, procurando todos os argumentos possíveis e imaginários: ecológicos, económicos, tradicionais, patrióticos e conservadores.

            Muitas pessoas são assim, defendem as suas ideias antigas e conservadoras, não procurando darem-se ao trabalho de analisarem as suas convicções se estão certas ou erradas. Por mais incrível que nos pareça, não deixam de ter razão desde que as suas ideias sejam úteis e possam contribuir para a sua felicidade.  

            Lembro-me de um velho comerciante, que para abrir o garrafão, usava um velho saca-rolhas, espetado num pau, segurava o garrafão entre as pernas e fazia toda a força que podia, até ficar exausto e transpirado. Eu admirava-me por ele não usar um saca-rolhas de orelhas, ou outro mais prático; mas possivelmente não tinha outro, ou achava que não valia a pena mudar.

            Como as ferramentas, as ideias poderão mudar, evoluir com o tempo, segundo as nossas necessidades ou então serão ultrapassadas. Há pessoas por não crerem evoluir, ficam estagnadas, como as águas paralisadas de um charco, pois as suas ideias ou convicções, poderão não ajudar; como velhas ferramentas que ficaram enferrujadas e inutilizadas, serão obsoletas na concretização dos seus projectos. Por vezes as ferramentas usadas não são adequadas, usar a faca da cozinha em vez da chave de fendas, ou uma pedra na substituição de um martelo, é como ter ideias que não são convenientes, pois não servem para nada.       

            Mas, cuidado com as nossas avaliações, o nosso julgamento poderá não ser o mais correcto, deveremos ser prudentes nas nossas críticas e apreciações, o que para nós não é útil poderá ser indispensável para os outros. Deveremos ter em mente a seguinte máxima: “Se todos os gostos fossem iguais; não se usava o amarelo”.

            Não vamos questionar se uma chave de fendas ou um alicate se é verdadeiro ou falso, mas se tem aplicação para o seu utilizador o que interessa realmente é se esse utensílio é útil para o seu utente.

           Ideias, religiões, filosofias de vida processam-se da mesma maneira, poderão ser úteis se elas forem bem aplicadas pelos seus detentores e aí gerarão fruto como uma boa semente se tratasse. Se todas as ferramentas são úteis, então todas as religiões, ou filosofias de vida poderão ser essenciais. 

            Como ferramentas que se adaptam ao nosso estilo, assim poderão ser as ideias ou religiões. As ideias fazem parte da vida, e todas elas são necessárias, e até são várias, porque os utilizadores são diversos.                        

            Desde sempre, o homem necessitou das suas crenças, como se fossem ferramentas para que pode-se subsistir; é certo que muitas das suas ferramentas eram primitivas, como eram as suas superstições e mitos.        

            O que seria do homem sem as suas crenças, o que seria de certas sociedades sem as suas ideias ou religiões! O homem necessita das suas ideias (ferramentas), para viver; para se resguardar; para se defender; para se impor como uma regra de fé e de prática.

            O mapa não é o território, cada um de nós constrói o seu mapa mental de acordo com realidade onde se insere, as palavras e as ideias (ferramentas), que nós usamos não são a realidade, mas sim instrumentos que nós usamos, em função para compreender essa mesma verdade. 

           

           

            Veja o próximo número na Boa Estrela, a: PROGRAMAÇÃO MENTAL “O valor da amizade”. Descubra a importância da amizade e o segredo de como manter os amigos para sempre.

 

PROF. KIBER SITHERC

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 00:35

Só temos uma vida, por isso, teremos que vivê-la intensamente de uma maneira agradável e positiva. Faça tudo o que estiver ao seu alcance, antes que seja demasiado tarde! Pensamento Positivo! kiber-sitherc@sapo.pt
favoritos

A ORIGEM DO RISO

Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

26
27
28
29
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO