Método Kiber

Dezembro 06 2009

 

 

            Ora, a nossa mente pode ser programada como um computador, mas por vezes os desejos não se realizam! Porquê?
            Vejamos alguns exemplos: Um homem desesperado cheio de dívidas repete palavras de riqueza indo até à exaustão; uma mulher medita em palavras positivas e esforça-se para ser feliz; uma jovem obcecada por amor, procura com todo o esforço a paixão da sua vida; um azarento tenta todos os possíveis para ter sorte. Ambos conseguiram o inverso daquilo que pretenderam aspirar, porque o esforço mental, o tentar, e a obcecação, implicam esforço, por isso a mente fica bloqueada.
            Se não consegue o que deseja é porque necessita de limpar a mente. A mente poderá ser comparada a uma casa suja e desarrumada, que por vezes tem um sótão cheio de lixo e de inutilidades, coisas que foram guardadas, que ocupam espaço e não servem para nada, tornaram-se um foco de ratos e de outros parasitas.
            Limpe a sua casa mental e arrume-a, tenha todas as suas ideias ordenadas e planeadas. Não se esqueça do sótão mental (no mais profundo do subconsciente), tire todo o lixo mental e deite fora as inutilidades: preconceitos, azedumes, ressentimentos, limitações, frustrações, medos, etc.
            Desde a infância que nós somos sujeitos a sugestões e mensagens negativas, inconscientemente foram gravadas no subconsciente, porque o nosso consciente não tinha a capacidade de as rejeitar. No mais profundo da nossa mente se aninharam, ganharam raízes, cresceram e se multiplicaram como ervas daninhas. Tornaram-se o nosso ponto de referência, o nosso estilo de vida, o hábito, a nossa vivência, inconscientemente a nossa fachada, em resume: o nosso padrão mental.
            Sente-se incomodado por diálogos interiores? Coisas que não disse mas devia de ter dito, magoado por lhe terem ofendido, ideias obcecadas, pensamentos que o fazem falar sozinho. Se tudo isso o incomoda, o faz sentir-se triste e deprimido, então desligue. É tão simples como desligar o interruptor da luz. Se não gostar de um canal de televisão poderá mudar de programa, escolher o que lhe convém, abaixar o som e inclusive desligar. Ficará então em silêncio e se quiser adormecerá.
            Com a mente poderá fazer o mesmo, é possível desligar-se de todos os pensamentos incomodativos através da visualização. Experimente abaixar o som como faz ao televisor, agora tire o som totalmente do diálogo interior persistente, visualize que no diálogo apenas os lábios se mexem. Veja a diferença de estar sem som, as tais palavras enfadonhas que quase lhe furavam os tímpanos desapareceram. Agora experimente fazer à imagem inquietante que o perturba. Escureça-a, cada vez mais, reduza-a a uma pequenez insignificante até que desapareça. Veja como se libertou mentalmente! 
            Você poderá manipular a sua mente para a sua felicidade, se não o fizer é manipulado pelas suas emoções (como uma cana agitada pelo vento), terá uns dias melhores ou piores conforme as circunstâncias da vida. Se não gostar do conteúdo de uma cassete, grave por cima, verá que tudo o que estava gravado se apagou, ficou novas imagens e uma nova música, com a mente acontece isso precisamente.
            Os nossos pensamentos predominantes (positivos ou negativos), são eles o motivo do nosso sucesso, os eventos das nossas calamidades ou felicidades, porque os nossos pensamentos são ondas de energia, que têm o poder de criar e de atrair: desejos, medos, azares ou a sorte.
 
PROF. KIBER SITHERC
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 15:10

Outubro 25 2009

 

 
         Vi uma vez um jardim fantástico, as flores eram extremamente belas e bem cuidadas, tudo se encontrava no devido lugar, tudo se harmonizava, pois se ajustava num cenário exótico e decorativo. Perante a minha admiração por tanta beleza, a pessoa que me mostrou orgulhosamente me dizia: “Para eu ter um jardim assim, dá-me muito trabalho, ando sempre a arrancar as ervas daninhas”. E eu me lembrei do nosso jardim mental!
Sim, nós temos um jardim mental. Será que o seu jardim mental está bem cuidado? O seu jardim mental são os seus pensamentos, que se encontram alojados no seu cérebro. Como qualquer outro jardim, se o seu jardim mental não for bem cuidado de certeza lhe crescerão ervas daninhas e outros parasitas. Terá que ser vigilante, porque todo o cuidado é pouco, deverá de ser disciplinado, metódico e cauteloso, deverá ser um hábil conhecedor do seu jardim, isto é, do seu cérebro.  
Se não for persistente na plantação das sementes mentais que almeja, na verdade crescerão ervas daninhas. Diariamente, devemos arrancar as ervas daninhas de nosso jardim, adiar para mais tarde, poderão se arraigar na nossa mente.
            Antes de se deitar, esvazie a mente, isto é, arranque fora todos os seus pensamentos negativos: ressentimentos, arrependimentos, ansiedades, medos, dúvidas e outras ervas paralisantes da mente. Com certeza que você não se vai deitar com a roupa que usou todo o dia. Deverá despir a sua mente, como despe as suas roupas do seu corpo. Na verdade, as pessoas em geral vão-se deitar com a mente repleta de coisas negativas, não admira que tenham um sono agitado e que acordem exaustas.
            Durante o dia, muitas pessoas ajuntam no seu cérebro uma miscelânea de coisas inúteis, que se amontoam e acabam por obstruir a mente, em vez de coleccionar todo esse mosaico agreste de ervas daninhas e de lixo mental, poderá juntar à sua mente e ao seu vocabulário, pensamentos úteis e positivos e expressões construtivas e agradáveis para o dia-a-dia.    
            Como em qualquer jardim, a água é essencial. Setenta por cento do nosso planeta é constituído por água; oitenta por cento do nosso corpo são constituídos por água; o nosso cérebro é constituído setenta e oito por cento desse precioso líquido, por isso, deverá de usar oitenta por cento de líquidos na alimentação, de preferência alimentos ricos em água assim como as frutas e vegetais.
            Devemos compreender o que são as ervas daninhas, só assim é possível extirpá-las diariamente, para que elas não se enraízem na nossa mente. São todos os pensamentos paralisantes, que nos impedem de sermos felizes. Todo o pensamento que seja negativo, deve ser despejado e ser substituído por outro positivo e construtivo. 
            Faça o seguinte exercício:
 Visualize um jardim cheio de ervas daninhas, identifique as ervas paralisantes, algumas poderão ser a personificação de pessoas que você sente ressentimentos, outras porém, poderão identificar os sentimentos de medo, raiva, angústia e impotência.
Visualize que está arrancando uma a uma todas as ervas daninhas. Imagine que elas ficaram todas juntas num monte. Visualize todos os seus problemas aí, toda a sua angústia está nesse monte, aí ouvirá o som das vozes que tanto o incomodam, imagine que lhe deitou o fogo, visualize as chamas purificadoras dos seus problemas e preocupações, até ficarem num montão de cinzas. Inspire profundamente, agora expire lentamente, imagine que o seu sopro se converteu num vento que levantou para longe todas as cinzas. Visualize depois o seu jardim belo e cheio de tranquilidade.  
 
 PROF. KIBER SITHERC
 
 
 
 
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 13:57

Outubro 19 2009

 

             A todos nos pode bater à porta. Todos nós somos vulneráveis ao infortúnio, ou não seriamos nós humanos?! Os antigos judeus achavam que as calamidades só aconteciam aos pecadores, o infortúnio seria enviado por Deus para castigar os transgressores. O Mestre advertiu os judeus que nem sempre era assim e que as vítimas da torre de Siloé que se desmoronou, não foram mais culpados do que todos os que habitavam em Jerusalém.
            As desgraças e os flagelos que nos causaram feridas, engendram a dor. Se mexermos nas feridas elas não saram, são traumas dolorosos que nos magoam, se pensarmos ou meditarmos no passado doloroso mais se intensifica a dor. Devemos aprender com a natureza, todos os seres vivos fogem do mal-estar. Temos que nos afastar de quem nos causa a dor.  Temos que ser pacientes para que as feridas se cicatrizem e para isso temos que esperar pelo tempo, só ele tem o poder de cicatrizar e de fazer esquecer a dor. Se voltarmos a arranhar as crostas, temos recaídas, é natural que elas sangrem e voltemos ao passado doloroso.
            As calamidades são subjectivas, há quem as suporta mais facilmente que outros, tudo isso, devido à nossa espiritualidade e força mental. Se as reduzirmos a uma pequenez insignificante teremos muito mais força interior. Se nos convencermos que os dias adversos passarão brevemente, o infortúnio desaparece nas nossas redondezas seguramente.  
A vida poderá ser um fardo insuportável, quando você se agarra aos desgostos antigos, carregando todas as decepções do passado e quando as acrescenta às do presente, então sim, você acaba por vacilar e chegar ao ponto de ruptura.
            Esse estado de sofrimento poderá ser mais intensificado se usar determinadas expressões negativas: “Viver é sofrer”, “Não vejo saída”, “Estou na fossa”. Se usar expressões metafóricas a sua dor é mais intensificada.
            Também há expressões positivas que nos podem modificar toda a nossa fisiologia e atitude mental.          Tais como: “Estou a melhorar dia após dia”, “Eu consigo”, “Estou plenamente feliz”, e muitas outras expressões poderá acrescentar.
            “Não há grito de dor/ que no futuro/ não tenha no fim/ por eco uma alegria”.
            Estas palavras do poeta Ramón de Campoamor, foram as mais positivas e esperançosas que já alguma vez encontrei. E estas palavras sempre me ajudaram nos momentos mais difíceis.
            Poderá procurar palavras-chave que o poderá abrir todos os seus recursos que estarão ao seu alcance. As palavras-chave que poderá usar são infinitas, poderosas e simples. O nosso cérebro aceita melhor coisas simples do que a complexidade. Exemplos de palavras-chave: quero, posso, faço, lembro-me; alegria, força, energia, esperança, paz. Lembre-se que há sempre uma palavra-chave, para todos os infortúnios da vida, que abre sempre uma porta para uma saída.
            Quando se fecha uma porta, abre-se outra. A porta do futuro está à nossa espera, como a mulher de Lot, não deveremos olhar para trás.
            Todos nós temos exemplos de alguém que apesar de se confrontarem com o infortúnio, ultrapassaram todas as adversidades e até se tornaram mais fortes e imunes a toda a fatalidade. Enquanto, outros se desmoronaram à simples brisa de uma simples calamidade. Lembre-se que há sempre uma alternativa e uma esperança, quando o infortúnio nos bate à porta. A nossa pequenez para enfrentar os problemas da vida poderão ser colossais. A natureza nos fez maiores do que as nossas dificuldades.
 
PELO PROF. KIBER SITHERC
 
 
                
                   Há sempre uma saída!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 20:18

Outubro 01 2009

 

 
 “Olhai os lírios do campo, como eles crescem: não trabalham nem fiam; e eu vos digo que, nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.” Estas palavras foram proferidas pelo Mestre, no célebre sermão da Montanha.
            Na verdade, tenho dúvidas se Salomão não se vestiria como eles ou superior a eles, visto que estava rodeado de tantas riquezas. Ora o Mestre mais tarde responde a dois discípulos de João Baptista: “Os que trajam ricamente estão nas casas dos reis”.
            Não pretendo abordar nenhum tema teológico. O que na verdade o Mestre pretendia demonstrar era a simplicidade, a liberdade e a espontaneidade da vida: “Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam... Olhai para os lírios do campo, como eles crescem: não trabalham nem fiam...” 
            Se nós observarmos a natureza as flores crescem fluidamente, as aves dos céus alegram os campos com os seus chilreios, na sua beleza e naturalidade.·
            Na antiga e misteriosa Índia um jovem príncipe chamado Siddaharta, viveu em todo o esplendor e opulência, como qualquer membro real. A sua insatisfação interrogava sobre o mistério do sofrimento e da morte. O seu pai tinha conhecimento por uma profecia que ele abandonaria o lar paterno. Por isso, à medida que ele enfastiava-se com a vida, mais o pai lhe aumentava todos os prazeres do momento, para que ele não abandona-se o palácio. O excesso de todo o prazer se tornou insípido, então abandonou todo o conforto para encontrar a simplicidade da vida. Esse homem foi chamado de Buda que significa em sânscrito “O Iluminado”. 
            O excesso de conforto traz sempre a apatia. Quando nascemos num berço de ouro, pois aí temos tudo, mas falta a luta e o desafio. É como se já estivéssemos no cimo da montanha e olhando para o horizonte nada nos resta que alcançar, então só poderemos descer.
            Não pretendo que devêssemos ser estóicos e abnegar de todos os confortos da vida, e seguirmos uma vida austera, mas devemos dar importância aos pequenos prazeres da vida
           Ora, um certo campeão de fórmula 1, desesperadamente exclamou: “Conheci todas as glórias e confortos; bebi de todas as taças e pereço de sede!”
            Houve um homem ocidental, que apesar da sua grande fortuna e de vida opulência, tinha uma vida triste e monótona. Resolveu fazer uma longa viagem para modificar o seu estado de espírito. Ninguém como ele era mais amargurado e infeliz. Ao chegar à Índia contactou as populações locais, vivendo na extrema pobreza em que nada possuíam, apenas revelavam um grande sorriso de felicidade e tranquilidade. Nesse país esse homem, abalou todas as suas convicções e crenças sobre a sua filosofia de vida. Como ele estava errado!
            Aí ele compreendeu que não tinha motivos, nem razões para a sua infelicidade, foi na Índia que encontrou o seu caminho para Damasco, o caminho da mudança e do arrependimento. Pela primeira vez descobriu que tinha motivos suficientes para se achar o homem mais feliz do mundo. Compreendeu como ele era egoísta... ficou marcado para sempre a visão de uma pobre mulher sorridente, que lhe estendeu a mão e insistiu para que ele aceitasse a oferta de uma maçã.
            Olhai os lírios do campo... observai as coisas simples e elementares da vida, aprenda a dar valor às coisas humildes e modestas. O excesso de fartura origina o enfado e a insatisfação. Não é o meio indicado para atingir a mente tranquila.
 
Pelo Prof. Kiber Sitherc
             
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 00:32

Outubro 01 2009

 

          Há pacientes que me dizem: “Deus tem feito muito por mim”. E descrevem todas as maravilhas e graças que alcançaram. Porém outros dizem-me: “Deus não me ouve”. Por vezes sentem-se culpados e acham que por isso não são ouvidos.
            Há duas espécies de orações: a oração positiva e cósmica que chega até aos céus e faz vibrar todas as galáxias e a oração negativa e fraca que nem chega ao tecto. Esta é a oração das pessoas deprimidas e frustradas em que disse o Mestre que por muito que orem parece que mesmo assim não são ouvidas. São das pessoas que se consideram vítimas, que se queixam de tudo e de todos, que estão cheias de mágoa, de azedume e de ódio.
            Vejamos alguns exemplos de orações negativas: “Ó meu Deus tem pena de mim, tudo me corre mal, estou farto de sofrer, toda a gente me prejudica, mas que mal tenho eu feito para merecer esta sorte?!” Uma senhora muito piedosa confessou-me que rezava desta maneira: “ Ajuda-me por favor meu Deus embora que eu não mereça”. Outra oração de uma pessoa muito ressentida: “ Ó meu Deus, o mal que eles me querem que lhes caia em cima, não terei o prazer de me rir deles?!” 
            Vejamos um exemplo de uma oração positiva: “Obrigado meu Deus por me ajudares, estás sempre comigo. Dia após dia me sinto melhor, porque me sinto cada vez mais positivo e com a ajuda de Deus eu vou conseguir a paz de espírito, a felicidade, a saúde e a prosperidade financeira”.
             O poder do nosso subconsciente contém uma partícula divina (não nos esqueçamos que fazemos parte das estrelas), as próprias Escrituras dizem-nos: “Vós sois deuses...”. Quando há um elo com a divindade, estamos em sintonia com a Energia Cósmica. Grosseiramente podemos simbolizar o nosso subconsciente como uma âncora e a divindade como uma rocha, quando há uma ligação surge a reciprocidade, que faz maravilhas, é esse o poder da oração cósmica.
            Vejamos algumas regras para conseguir uma oração eficaz:
            1 – Procure um lugar silencioso para orar.
            2 – Ore quando estiver só.
            3 – Liberte-se de emoções negativas.
            4 – Relaxe o corpo e a mente.
            5 – Concentre-se num objectivo.
            É impossível estar em sintonia com a Energia Cósmica num ambiente barulhento e confuso, se procura uma discoteca para repousar aí não poderá meditar nem orar. Toda a sua sintonia ficou bloqueada e confusa. A bebida, ou qualquer outra droga, ou estimulante não ajudará absolutamente em nada, não procure paz e perfeição por essa via que leva à destruição. Procure um lugar silencioso e puro.
            A oração é uma prática que liberta e que nos abre uma pequena brecha no céu. Não pense que seja um mero ritual ou uma simples prece, porque perde todo o seu sentido celestial e cósmico. Se orar durante anos o mesmo ritual, será apenas um hábito como muitos outros e a oração será fraca.
            A descontracção é essencial. Não perca de vista o seu objectivo. Se pedir primeiro pelos outros livra-se de toda a ansiedade. Ore primeiro pelos seus inimigos, para que eles tenham paz e felicidade, dessa maneira livra-se de ressentimentos, de ansiedade e de ódio. Seja persistente na oração, ore até obter o resultado desejado. Não tenha medo de pedir, mas peça com fé e convicção.
 
Pelo Prof. Kiber Sitherc
           
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 00:28

Outubro 01 2009

 

            Todos nós já ouvimos expressões em que se exalta a necessidade de ter fé. Todos conhecemos a frase: “A fé é que nos salva”. Há pessoas que vão mais longe ao pressagiarem: “Ai daquele que não tem fé...” Na verdade a “fé” tornou-se um vocábulo demasiado corrente e vulgar, que apesar de nós o usar-mos e de o ouvi-lo, deixou de nos impressionar, porque entrou na nossa linguagem como uma expressão paliativa e uma frase batida. 
            A melhor definição da fé encontra-se na Bíblia, em que se diz que “a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem”.
            Fé é a crença que temos em alguma coisa, produzirá os resultados desejados se projectarmos e agirmos nesse sentido. Fé e superstição produzem os mesmos fenómenos, o nosso subconsciente não sabe definir o que é uma fé cristalina e pura e de uma superstição, para a nossa mente interior é apenas uma crença, se ela for forte produzirá milagres.
            Foi há quinhentos anos, que Paracelsus descobriu esta verdade quando disse: “Quer o objecto da sua crença seja verdadeiro ou falso, os efeitos obtidos serão os mesmos. Assim, se eu tiver fé na estátua de S. Pedro como deveria ter no próprio S. Pedro em pessoa, obterei os mesmos resultados que teria obtido de S. Pedro”.
            A fé é um poder maravilhoso quando é usada! Se você tem fé e não a pratica, de nada lhe serve. Ter fé não é questão de sentir, mas sim de agir. A fé não substitui a acção, você pode ter a melhor ferramenta do mundo mas se não a usar, de nada aproveita. A fé é uma óptima ferramenta quando é praticada, é esse o grande segredo da fé, se você usar esse poder poderá mover montanhas como disse o Mestre.
            Tenha crença na fé. Deverá treinar a sua mente para crer, então surgirá o milagre da sua vida, inverter-se-ão as tendências derrotistas, do impossível surgirá o possível. Como qualquer modalidade, a fé deverá de ser treinada e praticada.
            Como desenvolver a fé? Praticando-a evidentemente. Se a fé não for alimentada ela fica estagnada e morre. Eis algumas regras para incrementar a fé:
            1 – Se acredita em Deus repita as seguintes palavras: “ Tudo consigo com a ajuda de Deus”. Leia o Salmo 23, o mais confortante das Escrituras. 
            2 – Lembre-se das palavras de Paulo de Tarso: “ A fé é pelo ouvir.”. É necessário repetir as palavras em voz alta.
            3 – Que os seus objectivos sejam sadios, não egoístas e que também ajude os outros.
            4 – Pense e acredite no sucesso, faça deste uma imagem mental positiva.
            5 – Seja paciente. Espere pelo melhor.
            6 – Continue firme em sua fé, enquanto viver.
            Quando você acredita que algo é verdade, adiciona um comando directo para o seu cérebro. O seu subconsciente se encarrega de transformar essa crença em realidade objectiva. Se disser que não é capaz de fazer determinada tarefa, ou que não gosta de determinado alimento, o seu subconsciente recebe essa crença como se fosse verdade. Quando acredita que pode atingir os seus objectivos, o subconsciente tem a capacidade de dar as respostas necessárias. A sua crença, isto é, a sua fé pode ser limitada e ela torna-se uma realidade como disse o Mestre: “Seja-vos feito segundo a vossa fé”.
O artista brasileiro, Ney Matogrosso ao cantar: “Andar com fé eu vou, que a fé não costuma falhar”. Usou a fórmula mágica, isto é, a chave secreta para a oração cósmica que veremos a seguir.
 
Pelo Prof. Kiber Sitherc
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 00:23

Só temos uma vida, por isso, teremos que vivê-la intensamente de uma maneira agradável e positiva. Faça tudo o que estiver ao seu alcance, antes que seja demasiado tarde! Pensamento Positivo! kiber-sitherc@sapo.pt

contador gratis
Interactividade
Março 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

31


pesquisar
 
blogs SAPO