Método Kiber

Janeiro 17 2011

 

            Nome científico: (Equisetum arvense)

 

            Outros nomes: cavalinha, cavalinha dos campos, cauda de cavalo, cauda de raposa, qüisseto, erva canuda, erva canudo, lixa vegetal, milho de cobra, rabo de cavalo.

 

            Familía das: equisetáceas

 

            Características: O seu nome é de origem latina, composto por “equi” (cavalo) e “setum” (cauda), ou seja, rabo de cavalo. São plantas vasculares, perfazendo cerca de 16 espécies de plantas do género Equisetum. A cavalinha é uma planta perene. Não possui flores e, conseqüentemente, nem sementes; algumas espécies possuem folhas verticiladas, mas reduzidas a tamanho insignificante. Estas  plantas perenes e herbáceas, secam no inverno (para a maioria das espécies temperadas) ou sempre verde (para algumas espécies tropicais, e a espécie temperada Equisetum hyemale). A maioria delas cresce 0,2 – 1,5 m de altura, embora a E. telmateia possa excepcionalmente alcançar 2,5 m, e a espécie tropical E. giganteum 5 m, e E. myriochaetum 8 m.

 

            Nestas plantas, as folhas são muito reduzidas, mostrando-se inicialmente como pequenas inflorescências translúcidas. Os caules são verdes e fotossensíveis, apresentando como características distintas o facto de serem ocos, com juntas e estrias.Considera-se que esta planta tem mais de 300 milhões de anos sendo assim, comparativamente, uma das formas de vida vegetal mais antigas do mundo.

 

            Habitat: Adapta-se bem a qualquer clima. Precisa de uma certa luminosidade para se desenvolver. A meia-sombra ou sol moderado é o ideal. Cresce em qualquer tipo de solo, mas prefere solos pantanosos ou campos húmidos. Esta planta está presente em todos os continentes excepto na Austrália e Antárctica.

 

            Propriedades: É depurativa, emenagoga, diurética, anti-inflamatória, anti-hemorrágica, adstringente, anti-depressiva, cicatrizante. Tem propriedades anti-acne.

 

            Indicações terapêuticas: Esta planta originária da Europa possui propriedades terapêuticas de acção diurética e remineralizante, que permitem a eliminação, através da urina, das substâncias tóxicas do organismo. O facto de possuir princípios activos adstringentes fazem com que a cavalinha seja útil também no tratamento de problemas circulatórios, actuando como hemostático, ou seja, substancia capaz de diminuir ou exterminar hemorragias. A estimulação da produção de fibras colágenas e elastina confere à cavalinha a propriedades de preservar e aumentar a tonicidade da pele, funcionando como um super-hidratante que confere elasticidade a peles secas e senis.

 

            Mas não é só isso, esta planta de nome curioso participa do processo de calcificação dos ossos e age sobre as artérias, aumentando a elasticidade e a resistência dos vasos sanguíneos. A sua acção anti-inflamatória actua em casos de inchaço e inflamação da próstata e o facto de ser estimular o metabolismo das células da pele a torna cicatrizante, ajudando a recuperar com mais rapidez vários tipos de ferimentos. Por fim, as suas propriedades adstrigentes e detergentes são muito úteis no tratamento de peles com acne, através da aplicação de cremes e loções.

 

             A Cavalinha é uma excelente planta indicada para períodos de desintoxicação e emagrecimento.

 

            Menstruação dolorosa ou excessiva, hemorragia uterina, febre puerperal (relativa ao parto), úlcera gastroduodenal, afecções da bexiga e dos rins, doenças da prostata, pulmonares, gripes.

            Nas inflamações dos olhos e em feridas, aplica-se cataplasma ou compressa quente com chá da planta.

 

            Nas hemorragias internas e nas regras excessivas, usa-se como hemostático. Após o parto e em casos de corrimento vaginal, usa-se o chá para aplicação de lavagem vaginal.

 

 

            Clareia o cabelo Combate ácido úrico, afecções nos brônquios e pulmões, anemia as aftas, alergia, ansiedade sangramentos no nariz. Melhora as estrias, a cicatrização, a flacidez da pele e músculos. É útil no tratamento do cancro.

 

            Atenção: crianças devem utilizar metade da dose de adultos e não é aconselhável ultrapassar a dose recomendada por seu médico. Não existe nenhum tipo de restrição quanto ao uso da cavalinha por mulheres grávidas ou em fase de amamentação.

 

            Uso cosmético: Em infusão, combate a celulite; ferva 30 gr. da erva (caules estéreis) em 2 litros de água por 15 minutos. Coe e despeje na banheira. Tome banho de imersão por 20 minutos. Repita 2 ou 3 vezes por semana. Uma infusão mais forte aplicada com ligaduras ou mesmo um cataplasma da erva, aplicada em locais do corpo propensos a celulite, faz verdadeiras maravilhas. A cavalinha é ainda excelente tónico para peles oleosas. Melhora as estrias.

 

            Uso caseiro: Utilizada na marcenaria para polir madeira. Também usado como corante verde. Usa-se contra transpiração excessiva nos pés, sob a forma de tintura, com banhos preparados com a planta. Muito bonita em arranjos com flores, antigamente era usada como uma espécie de "esfregão" vegetal, bom para arear panelas (pelo seu teor de silício).

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 17:44

Só temos uma vida, por isso, teremos que vivê-la intensamente de uma maneira agradável e positiva. Faça tudo o que estiver ao seu alcance, antes que seja demasiado tarde! Pensamento Positivo! kiber-sitherc@sapo.pt

contador gratis
Interactividade
Janeiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14

16
18
19

24
27
29

30
31


pesquisar
 
blogs SAPO