Método Kiber

Outubro 27 2010

 

            Na claustrofobia, ou medo de lugares fechados, as impressões psíquicas tornam-se físicas: o ambiente “encolhe”, o tecto teima em aproximar-se, as paredes comprimem-se, as pernas e as mãos tremem desmesuradamente, o suor escorre, a boca seca e o coração parece querer ser o primeiro a sair dali, furando o peito. Os elevadores são a ilustração costumeira deste tipo de fobia.

 

            Medo de lugares fechados, abertos, multidão, escuro, altura, entre outras fobias, são reacções normais que servem para qualquer ser racional distinguir o que é perigoso ou não. O exagero, porém, pode ser um distúrbio psíquico, mas a cura é possível. Quem ainda não sentiu medo? Fobias, como outras doenças da mente, sempre existiram desde as épocas mais primitivas. Sem dúvida, o medo nos tempos pré-históricos era totalmente diferente. Já na actual sociedade moderna, há pessoas que têm pavor de dentista, avião, montanha russa, altura, entre outros, que são reacções psicossomáticas inerentes do organismo diante do perigo iminente, causando sudorese, pânico, o aumento da adrenalina, dos batimentos cardíacos etc.

 

            Há muitas pessoas, contudo, que têm um medo muito exagerado diante de algumas situações do dia-a-dia, principalmente de locais fechados, como elevadores, comboios ou aviões, por exemplo. A fobia também pode estar presente quando a pessoa se encontra cercada por uma multidão. A claustrofobia, todavia, não é uma doença, mas um sintoma, geralmente acompanhado de um distúrbio conhecido como Agorafobia - o medo de estar em um lugar público lotado de pessoas, de onde o indivíduo não pode sair facilmente, caso se sinta mal.

 

            As fobias podem ser classificadas em dois grupos. No primeiro, encontram-se as fobias comuns, ou seja, aquelas cujos sinais são o medo excessivo de coisas que todos, numa certa medida, temem, como por exemplo, alguns tipos de animais, a escuridão, a morte, as doenças etc. No segundo, o medo está ligado, não a um objecto específico, mas sim a um certo ambiente, como é o caso das agorafobias. São fobias contingentes, de natureza contextual, ou seja, manifestam-se dentro de um contexto.

 

            É muito comum haver confusões na comparação entre Agorafobia e Claustrofobia. Pensa-se que a primeira seria o medo de espaços abertos e, portanto, o contrário da segunda, o medo de espaços fechados. Agorafobia não é medo de espaços abertos como normalmente dizem, mas medo de lugares cuja fuga é embaraçosa ou difícil que, muitas vezes, pode ser um espaço amplo, como uma estação do metro ou um estádio de futebol. "A confusão deve existir pelo facto de que espaços públicos são lugares amplos e geralmente abertos, mas não é o caso do metro que é confinado. A afirmação de "que um é contrário do outro" não é verdadeira porque uma pessoa com fobia de elevador pode ter tanto uma Agorafobia como uma Claustrofobia", explica a psicoterapeuta e directora do Instituto de Psicoterapia Avançada, Maura de Albanesi.

 

            Outra confusão pertinente é porque as crises acontecem, geralmente, em lugares fechados e também pelo facto de que os conceitos são muito semelhantes (Agorafobia - medo de lugares de difícil escape e Claustrofobia - medo de lugares fechados). Se a pessoa tem medo de elevador somente por ser um espaço confinado é uma Claustrofobia. Se, entretanto, o indivíduo tem medo de passar mal (o que não significa necessariamente estar preso na cabine) e não ser socorrido, caracteriza-se um medo antecipatório, típico da Agorafobia.

 

            Mesmo alguns segundos diante de um contexto claustrofóbico são suficientes para desencadear um complexo de sintomas nas vítimas deste transtorno. Elas passam a evitar estas situações, consideradas como de risco. É difícil avaliar quais as causas deste problema, pois elas podem ser múltiplas. Aqueles que sofrem de qualquer tipo de ansiedade têm uma tendência maior a apresentar este distúrbio, pois qualquer vivência de um trauma em um lugar fechado pode ser o estímulo inicial para desenvolver nestas pessoas este género de fobia. "Geralmente, estas pessoas se isolam e evitam locais que possam gerar contextos claustrofóbicos, pois se deixam dominar pelo medo, recolhendo-se a lugares nos quais se sentem mais seguros", explica a psicoterapeuta.

 

            Tratamento - É fundamental, assim, tratar este transtorno, para que ele não se agrave e evolua para outras doenças psíquicas. Neste sentido, é importante aliar a psicoterapia com anti-depressivos. A psicoterapia tem como objectivo de reestruturar a mente, identificar os medos e trabalhar os aspectos irracionais de cada um deles. "A cura completa é, sim, algo bem real e possível. Tanto o claustrofóbico quanto seus familiares devem aprender a aceitar esta realidade. Só assim será possível eliminar de vez estes incómodos efeitos do quotidiano muitas vezes massacrante da nossa civilização. O autoconhecimento e a compreensão de si mesmo podem ajudar o paciente a se libertar desta e de outras fobias", completa Maura.

 

            Em sua grande maioria, os claustrofóbicos têm medo de morrer, não possuindo, portanto, o específico medo de lugares fechados. Os pensamentos ligados a esses pacientes adquirem grande importância no diagnóstico da patologia e, neste caso, o medo de morrer por falta de ar é o mais recorrente. “Às vezes, a pessoa não tem medo de avião, mas tem fobia de ficar presa nesse lugar, pois, caso aconteça algum problema, ela não tem para onde ir.

 

            Apesar de ainda não ter sido elucidadas as reais causas das fobias, sabe-se que existe aí um componente genético, visto que mais de 70% das pessoas fóbicas possuem parentes com este mesmo problema. Exposição a situações semelhantes às que provocam medo, repressão sofrida no passado, dentre outros factores, também podem estar relacionados. As manifestações da doença geralmente têm início na infância, e devem ser tratadas, já que tendem a se agravar com o passar dos anos; e causam situações de desconforto à pessoa, podendo interferir em suas relações sociais.

 

            Há cerca de seis meses, o estudante de Administração Fábio Andrade, 23, sofre de claustrofobia. Ele evita elevadores, teme escadarias escuras e apavora-se diante da improvável possibilidade de ficar preso dentro do banheiro. Para Fábio, mesmo uma janela fechada pode ser sufocante. “Tenho a impressão de que vou desmaiar, o coração dispara, a mente fica retorcida e a visão embaça”, conta.

 

            De onde vem isso? A claustrofobia de Fábio surgiu de repente e ele ainda não conseguiu descobrir o motivo do trauma. De fato, nem sempre é fácil encontrar a razão, já que não há uma causa única. Segundo o psiquiatra Gilson Volpe, “pessoas naturalmente ansiosas ou de fundamentos reactivos têm uma predisposição a desenvolver o transtorno”. Para alguém com essa personalidade, experiências traumáticas em lugares fechados são o estopim. A presença de alguém claustrofóbico na família também pode dar início ao que os psicólogos chamam de aprendizagem por modelação. Algumas correntes ainda apontam como uma das causas da fobia a repressão de impulsos sexuais e sentimentos de culpa.

 

            Afastar-se do mundo, obviamente, não é a melhor maneira de enfrentar este pavor irracional. Este é um daqueles transtornos em que a psiquiatria e a psicologia andam de mãos dadas. Segundo o psiquiatra Gilson Volpe, existem dois grupos de medicamentos mais recomendados para o tratamento da claustrofobia, os ansiolíticos e os anti-depressivos. “Eles inibem a recaptação da serotonina, responsável pela ansiedade”, traduz. Os resultados costumam ser rápidos, mas há riscos do medo voltar a se manifestar ao interromper a medicação.

 

            Por conta disso, o tratamento psicológico é de suma importância para a cura da claustrofobia. A psicóloga Sónia Maeda aconselha a terapia focal por meio da abordagem comportamental. Nessa linha terapêutica, o claustrofóbico se submete a efeitos de relaxamento, abrindo a porta para o psicólogo o conduzir a uma reestruturação cognitiva. “É preciso montar uma hierarquia dos medos, desde o mais terrível até o menor, e trabalhar a irracionalidade de cada item. A partir daí, o psicólogo incentiva o paciente a se expor às situações que ele considera de risco”, informa Sónia, referindo-se ao método conhecido por dessensibilização sistemática.

 

            Sem dúvida, não se trata de um transtorno dos mais simples, pois traz muitos impedimentos. Mas o claustrofóbico pode, sim, conseguir cura completa. Para isso, é muito importante detectar as raízes do medo e, como afirmou Sónia, expor-se pouco a pouco a eles.

 

            A duração do tratamento psicológico varia de acordo com o grau da fobia e de como ele mesmo pretende se ajudar. Vale lembrar também o papel da família em aceitar o medo como parte de um comportamento doentio, sem criticá-lo. Ao final da terapia, associada às medicações, é possível fechar as portas deste medo irracional de uma vez por todas.

 

            É indicado que o paciente pratique exercícios, tenha uma alimentação balanceada e acompanhamento terapêutico, a fim de reduzir o estrepe e aumentar a auto-estima e confiança – imprescindíveis para o sucesso do tratamento.

 

             Uma técnica amplamente utilizada é a da auto-exposição, na qual o indivíduo fóbico enfrenta de forma gradual as situações que lhe causam medo, podendo se recuperar completamente ao final do tratamento.

 

PROF. KIBER SITHERC 

 

 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 22:36
Tags:

Só temos uma vida, por isso, teremos que vivê-la intensamente de uma maneira agradável e positiva. Faça tudo o que estiver ao seu alcance, antes que seja demasiado tarde! Pensamento Positivo! kiber-sitherc@sapo.pt

contador gratis
Interactividade
Outubro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
16

17
18
19
20
22

24

31


pesquisar
 
blogs SAPO