Método Kiber

Janeiro 22 2010

 

            Segundo a Bíblia, Deus criou o mundo pela palavra, como dizem as Escrituras Sagradas, falou e logo tudo se fez. Os Antigos davam muita importância a determinadas palavras que as consideravam mágicas, pois acreditavam que elas tinham poderes quando as pronunciavam. Muito antes dos escritos judaicos serem escritos, já os antigos egípcios possuíam um grande número de formulações, que intimidavam para obterem protecção e favores dos deuses.
            Ora, como sabemos, os cinco sentidos convergem uma série de sensações para o cérebro. Todos recebemos os seguintes estímulos: visuais, auditivos, cinestésicos, olfactivos e gustativos, e todos são interpretados pelos órgãos sensoriais em sensações internas. Depois, são rotulados em várias classificações. O ser humano criou rótulos, para se expressar pela “palavra”.
São as palavras que usamos em forma de rótulos que exercem um efeito extraordinário e profundo sobre a nossa experiência e realidade. As palavras que atribuímos à nossa experiência tornam-se nossa experiência. As palavras são rótulos que usamos para descrever sensações. Por isso, devemos ser muito cautelosos na atribuição dos rótulos que aplicamos a uma coisa, porque, criamos uma emoção correspondente.           
            Na precipitação de tomar decisões rápidas, muitas vezes não usamos todas as palavras disponíveis para encontrar a descrição mais exacta e apropriada, muitas vezes, usamos as palavras como “atalhos”, mas com frequência esses atalhos também provocam um atalho emocional. Dessa maneira, a escolha desse vocabulário descabido enfraquece a nossa experiência de vida.
            Você pode reduzir a sua intensidade emocional em áreas que talvez nunca tenha imaginado. Por exemplo. Em vez de dizer: “Estou a morrer de fome”, ou “Estou com uma fome de lobo”; deverá dizer: “Estou com apetite”. Rapidamente poderá baixar a intensidade da sua fome insaciável.
            Para melhor compreensão do poder da palavra, apresentarei um caso de uma paciente que me consultou há muitos anos. Ela encontrava-se num estado emocional muito debilitado, pois tinha recentemente traído o seu marido. Confessou-me: “Sinto-me suja. Cometi adultério. Eu dei uma facada no meu matrimónio”. Disse-lhe que essas palavras eram de uma intensidade muito negativa e ao serem proferidas mais a culpavam, porém, ela tinha as suas razões para ter cometido essa acção, deveria substituir essas palavras por “um relacionamento extraconjugal”. No mesmo instante começou a meditar nessas palavras e depois concluiu: “Isto resulta, estou a ficar muito mais aliviada”. E gracejando acrescentou: “Acho que era capaz meter-me noutra”.
            A aplicação de um novo rótulo às suas palavras será suficiente para romper um padrão negativo e mudar de facto a sua experiência. A nova palavra ao ser pronunciada terá um impacto de baixar a sua intensidade emocional. Lembre-se, somos moldados por nossa linguagem. Todos podemos ter as mesmas sensações, mas a maneira pela qual rotulamos, atribuímos aí a nossa experiência. Quatro pessoas poderão ter a mesma experiência desagradável, mas uma sente ódio, outra sente irritação, a terceira sente aborrecimento e a última sente apenas indiferença.
            Se as palavras que usa habitualmente, cria em si estados que o enfraquecem, livre-se delas, e substitua por outras que o fortalecem. Alguns exemplos. Substitua as palavras, irritado para estimulado, zangado para desapontado, esquecimento para distracção, confuso para curioso. Para romper o seu padrão mental negativo, procure novas palavras e assim abaixará a sua intensidade emocional.
 
PROF. KIBER SITHERC
 

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 02:08

Só temos uma vida, por isso, teremos que vivê-la intensamente de uma maneira agradável e positiva. Faça tudo o que estiver ao seu alcance, antes que seja demasiado tarde! Pensamento Positivo! kiber-sitherc@sapo.pt

contador gratis
Interactividade
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13
14
16

17
23

25
27
28
30

31


pesquisar
 
blogs SAPO