Método Kiber

Janeiro 28 2014

 

            As palavras que atribuirmos à nossa experiência, torna-se enfaticamente a nossa experiência, essa é a essência do Vocabulário Transformacional. Devemos conscientemente escolher as palavras que usamos para descrever os nossos estados emocionais, porém, se não estarmos atentos, poderemos sofrer a penalidade de criar uma dor maior do que é justificado ou atribuído. 
            Há uma palavra que é uma autêntica espada de dois gumes, que tanto serve para ajudar como para embaraçar, poderá ser usada para um corte frontal e eficaz, como servirá para um golpe matreiro. Kopmeyer, vê nela como uma palavra mágica. Louise Hay, aconselha prudência na utilização dessa palavra. Parece ser uma palavra inofensiva, pequenina e trivial na nossa linguagem, mas não deixa de ser tão importante, por vezes passa no nosso vocabulário despercebido, mas ela consegue mudar a nossa emoção tanto para o mal como para o bem. Aí encontra-se o seu poder que limita ou abre novos horizontes. Essa palavra chama-se: “MAS”
            Na nossa gramática a palavra mas é uma conjunção coordenativa adversativa que estabelece uma oposição ou restrição.
            Se há palavras que poderão ser armadilhas, essa é uma delas. Você poderá não avançar nos seus projectos e desejos se a põe à frente dos bois.
            “Eu tenho um projecto que vai dar certo, mas... não tenho dinheiro, não sei como realizá-lo”; “Vou conseguir todos os meus desejos, mas... eu vivo neste meio pequeno, é difícil conseguir”; “Eu concordo contigo, mas... tu não tens razão alguma”. Vejamos o discurso de um político: “Se votarem na minha candidatura, cumprirei todas as minhas promessas, mas... virão tempos muito difíceis”. O “mas” pronunciado aí anula todo o seu discurso, todo o sentido é alterado.
            Não admira que tudo aquilo que tinha planeado tenha sido rejeitado. Os seus esforços foram de certos inúteis, todos os seus planos foram por água abaixo, dessa maneira foi fácil desistir de muitos projectos, todavia, usando a conjunção “mas” à frente das suas aspirações, negou ou contraditou-se quanto aos seus desígnios. Porque o “mas” ao ser projectado nos seus desígnios metamorfoseou o positivo em negativo.
            Suponhamos que esteja melancólico, as coisas tenham-lhe corrido mal e no seu desânimo tenha dito: “ Parece que todo o mundo me caiu em cima, todas as portas se fecharam, mas... ainda estou vivo, ainda há estrelas no céu”; “Perdi uma batalha, mas... ainda não perdi a guerra”. Aí o “mas” é uma palavra que faz maravilhas.
             Quando o infortúnio lhe bater à porta, e desesperadamente lamentar-se. Lembre-se sempre de acrescentar a conjunção mágica: “Perdi o meu emprego, mas... vou arranjar outro melhor”; “Perdi a minha casa, mas... vou lutar por outra”; “O meu namorado deixou-me, mas... tenho muito amor para dar”. Lembre-se de usar sempre esta pequenina palavra, quando entrar no desespero, porque ela acrescentada, faz a transição do negativo para o positivo, da catástrofe para a esperança. Quando pronuncia aí o “mas”, há um entrave nas palavras desesperadas, como se tivesse anulado todo o negativo que tivesse dito. 
            Substitua as palavras no condicional pelo presente. Em vez de dizer: “Eu deveria de mudar de alimentação”; diga: “Eu estou a mudar de alimentação”. Em vez de dizer: “Eu gostaria de ser mais activa”; diga: “Eu gosto de ser mais activa”. A acção dita no presente fica mais concreta e mais forte.
            Evite a palavra tentar, porque implica esforço. Em vez de dizer: “Vou tentar mudar a minha vida”; deverá dizer: “Estou a mudar a minha vida”. 
 
PROF. KIBER SITHERC
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 08:58

Janeiro 15 2014

 

 

     Uma pesquisa feita pela Universidade da Flórida com 802 estudantes que haviam misturado álcool e cafeína concluiu que eles estavam três vezes mais propensos a sair do bar muito embriagados e quatro vezes mais propensos a dirigir, em comparação com estudantes que não beberam álcool em combinação com cafeína.

 

     A cafeína é um estimulante natural que aumenta a atenção e o ritmo dos batimentos cardíacos. O álcool, por sua vez, é um calmante que produz letargia e perda das faculdades normais.

 

     "Quando alguém mistura os dois, acreditamos que a cafeína mascara os efeitos calmantes do álcool", explicou Bruce Goldberger, um toxicologista da University of Florida envolvido na pesquisa.

 

     "Nossa pesquisa mostrou que a perceção da pessoa em relação ao seu grau de debilitação foi mascarada pelo efeito estimulante causado pela cafeína".

 

     Goldberger acha que a combinação leva mais estudantes a ficar acordados por mais tempo, e portanto, a beber mais.

 

     Outro estudo, feito pela uniersidade de Wake Forest, na Carolina do Norte, com a participação de 697 estudantes, revelou que os que haviam consumido bebidas alcoólicas com cafeína tinham mais propensão a dirigir bêbados, abusar sexualmente de outra pessoa ou acabar precisando de tratamento médico.

 

     "Meu amigo bebeu um pouco menos do que três latas em uma hora", disse o estudante James Kulinski à BBC. "Ele não sabia o que estava fazendo. Ficou totalmente descontrolado. Não tinha coordenação nem capacidade de se comunicar".

(arquivo)

 

     Defesa e reações.

 

     Criada por três amigos que se conheceram na universidade, a bebida Four Loko chegou às lojas em 2008.

 

     O fabricante, Phusion Projects, nega afirmações de que a bebida produz o envenenamento por álcool.

 

     "Temos argumentado repetidamente (...) que a combinação de álcool e cafeína é segura", diz uma declaração dos criadores da marca.

 

     "Se fosse insegura, combinações populares como rum e coca-cola ou Irish coffee (café, uísque, creme de leite e açúcar), que vêm sendo consumidas de forma segura e responsável por anos, teriam recebido a mesma atenção que os nossos produtos mereceram".

 

     O México já proibiu vendas de bebidas alcoólicas com cafeína em bares e casas noturnas.

 

      No Canadá, apenas cafeína derivada de fontes naturais, como o guaraná, pode ser adicionada.

 

     Na Austrália, as autoridades estão considerando a questão, e na Escócia o partido Trabalhista pediu que as bebidas sejam proibidas.

 

  

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 08:54

Só temos uma vida, por isso, teremos que vivê-la intensamente de uma maneira agradável e positiva. Faça tudo o que estiver ao seu alcance, antes que seja demasiado tarde! Pensamento Positivo! kiber-sitherc@sapo.pt

contador gratis
Interactividade
Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO