Método Kiber

Janeiro 11 2010

 

            O ser humano é um animal pensante e essa característica distinguiu-o dos outros animais. Toda a nossa evolução se deu graças a essa faculdade de pensar e de armazenar os conhecimentos adquiridos.
            Apesar dessa faculdade de pensar, e de toda a primazia intelectual e conforto material, o ser humano perece de sede, ainda não conseguiu alcançar a felicidade. É certo que ele próprio tem vasculhado esse caminho, mas flutuando por atalhos.
            O grande problema do ser humano está no seu próprio pensamento, o seu maior inimigo está dentro dele. Somos os criadores dos nossos pensamentos que nos libertam ou nos escravizam. Eles não resultam das circunstâncias; vêm do nosso interior, não do exterior. O que pensamos interpreta e determina o que vemos, embora muitas vezes nos pareça o contrário. 
            Para que o leitor entenda melhor, que é o pensamento que determina e não a circunstância; vejamos o seguinte exemplo: suponhamos que lhe transmitem a notícia dum amigo que tenha morrido há um mês, é natural que fique emocionado e triste. O acontecimento ocorreu há muitos dias, no entanto, quando pensa nele fica triste. Não foi o acontecimento em si que fez sentir-se triste. Afinal ocorreu o falecimento há um mês e você nem sequer tinha conhecimento. Foram os seus pensamentos que criaram o sentimento de consternação. A ocorrência foi real, mas não teve qualquer impacto sobre si até lhe poder dar vida através do pensamento.
            Outro exemplo: suponhamos que vai conduzindo em direcção a casa, pela rádio ouve uma notícia dum incêndio no seu bairro, então começa a pensar: “Será que o incêndio foi na minha casa?” Pelo caminho pensa que os filhos ficaram sozinhos em casa, que eles têm o hábito de brincarem com os fósforos, vêm-lhe ao pensamento as notícias de incêndios relacionados com crianças. Então fica aflito e acelera para chegar o mais depressa possível. Quando chega a casa, fica aliviado o incêndio aconteceu muito longe da sua habitação.  
            Foi a sua emoção mais uma vez criada pelos pensamentos que teve sobre a ocorrência e não pelo acontecimento em si. Quando você tem um pensamento e acredita que ele é autêntico, sente uma resposta emocional correspondente a esse pensamento. Os seus pensamentos dão sempre origem às emoções que sente.
            Você poderá não dar por isso, porque pensar e divagar é tão natural como respirar e dormir.
            Os pensamentos não são reais eles passam pela sua cabeça durante o dia aos milhares, e só alguns são detidos, porque lhe deu importância e algum valor, dessa maneira o pensamento fica enraizado na sua mente e é natural que germine.
 Os pensamentos são como sementes; se eles encontrarem uma terra propícia para germinarem aí darão fruto. Têm uma grande força magnética para atrair a sorte; assim como a destruição com a sua onda energética. É você que lhe dá vida quando o processa na sua mente, dando-lhe desse modo uma interpretação e atribuindo-lhe significado e importância.
            É o pensamento que vai vasculhar toda a memória do pó do passado, que o fará sofrer por algo que já se extinguiu; também é o pensamento que o fará preocupar-se em relação ao futuro. É impossível sentir medo, sem antes ter pensado no medo, sentir raiva, sem antes ter tido pensamentos de ódio. Ter consciência e compreender que é o pensamento que determina o seu estado de espírito, que o pensamento é apenas uma capacidade de analisar e não uma realidade, será fácil dos afastar para longe de si.
 
PROF. KIBER SITHERC
 
kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 11:47

Janeiro 11 2010

 
            Segundo a mitologia grega e romana, no princípio havia o caos, as religiões também estão de acordo; no princípio havia a confusão de todos os elementos. A divindade arrumou os elementos, pôs as coisas no seu devido lugar, tudo ficou no espaço certo, então surgiu a primeira lei no Universo: A ordem celestial.
            Paulo de Tarso lembrou-se desse princípio quando advertiu a igreja de Corinto: “Deus não é Deus de confusão”, “Faça-se tudo decentemente e com ordem”.
            Uma mente desordenada exterioriza-se na sua desordem: cozinha suja, loiça por lavar; quarto desarrumado, cama por fazer. É comum todo o desleixo ser abafado nos sítios que não são visíveis: nas gavetas, nos armários, no sótão, no guarda fato, debaixo das camas etc. Todo o trabalho doméstico de grande fôlego é adiado para amanhã, para o dia seguinte, para depois...
             A tristeza e a depressão poderão desmotivar, porque nesse estado mental, pensa-se que tudo o que se faz é muito difícil e de grande esforço. Adicione ao seu cérebro o desejo da ordem e da eficácia. 
            Comece por criar estímulos para vencer a estagnação. Imagine a casa arrumada, limpa e tudo em ordem. Não pense na dificuldade, nem diga: “Não me apetece fazer nada”, “Não consigo por ordem nesta casa”, “Sou sempre eu que tenho que fazer tudo”. Esses pensamentos e palavras, ainda mais favorecem e condicionam esse velho paradigma, e é natural que tudo continue na mesma.
            Distribui-a as tarefas domésticas por todos. Comece a executar todas as tarefas que tem adiado: o quadro que falta pendurar, o pequeno buraco na parede, a torneira que pinga, o armário que não fecha, o vidro partido que terá que ser mudado, a parede que precisa de ser pintada. 
            Terá que por ordem na sua vida: deite-se cedo e levante-se cedo, tome as refeições cedo. Não adie as tarefas domésticas, se as deixar para o dia seguinte ficarão sempre adiadas para o próximo dia.
            Lembre-se que para ser tornar metódico terá que praticar, deverá agir como se fosse eficiente. Faça uma lista de tudo aquilo que fará no dia seguinte ou nos próximos dias, procure cumprir, ao princípio poderá achar árduo, com a frequência será um hábito e fará isso automaticamente, tão fácil como conduzir o automóvel ou respirar.
            Quando for às compras, faça uma lista de tudo o que precisa comprar; dessa maneira evitará esquecimentos e preocupações. A ideia de tentar não se esquecer, de fazer do cérebro um armazém de recados e de entulho poeirento, não é prático e não leva a lado nenhum. O cérebro é para pensar, se ele não estiver sob pressão não há bloqueio mental e as ideias surgem automaticamente. Por isso poupe o cérebro com ninharias, escreva tudo o que tem a fazer ou a planear e procure agir positivamente, dessa maneira ficará livre de preocupações.
 No trabalho também se exterioriza-se a desordem mental, encontra-se a secretária amontoada de papéis; cartas por escrever, apontamentos com recados que se tem adiado, gavetas amontoadas de papéis, admoestações e objectos esquecidos.  
             Ponha ordem no trabalho. Retire da sua mesa de trabalho todos os papéis, deixe apenas o que se relaciona com o problema que tem a tratar. Tenha-a sempre limpa e arrumada, dessa maneira o seu trabalho será mais eficiente.
            Não adie os assuntos a tratar. Resolva-os imediatamente. Não faça tudo ao mesmo tempo, resolva cada assunto de acordo com a sua importância. Dessa maneira livra-se de preocupações e de stress.  

 

PROF. KIBER SITHERC

 

kiber-sitherc@sapo.pt
publicado por professorkibersitherc às 01:47

Só temos uma vida, por isso, teremos que vivê-la intensamente de uma maneira agradável e positiva. Faça tudo o que estiver ao seu alcance, antes que seja demasiado tarde! Pensamento Positivo! kiber-sitherc@sapo.pt

contador gratis
Interactividade
Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13
14
16

17
23

25
27
28
30

31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO